Facebook Twitter Youtube Instagran
Fotos       |       Vídeos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
noticia
Rádio Mania FM - Ibatiba ES
Seu Site Na Net

 A piora na economia pode fazer com que o Brasil volte a aparecer no mapa da fome da ONU, após ter saído desse registro em 2014. A avaliação é do diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano, em entrevista ao site UOL. O levantamento da instituição indica os países em que pelo menos 5% da população não ingerem a quantidade de alimentos necessária para se manter saudável.

“Se o Brasil não conseguir retomar o crescimento econômico, gerar empregos de qualidade e ter um programa de segurança alimentar voltado especificamente para as zonas mais deprimidas, nós podemos, infelizmente, voltar a fazer parte do Mapa da Fome da FAO”, disse o diretor. O executivo brasileiro foi um dos responsáveis pela implementação do programa Fome Zero, no início do primeiro governo Lula. Ele foi reeleito para comandar a FAOem 2015.

Segundo Graziano, existe no país uma população de entre 2,5 a 3,6 milhões de pessoas que não conseguiu vencer definitivamente a pobreza extrema. Desse modo, quando as condições do mercado de trabalho pioram – por exemplo, no caso de uma safra ruim, que demanda menos mão de 0bra – o desemprego aumenta e essas pessoas voltam a ficar abaixo do limitem mínimo.   As pessoas que estão abaixo dessa linha normalmente são os desempregados, são os que fazem trabalhos aqui e ali, sem ocupação formal, são os que têm uma família numerosa e vivem em uma região muito pobre”, diz.

Graziano avalia que o perfil mais comum de pessoas que passam fome no país são mulheres de meia idade, com vários filhos, moradora do meio rural, cuja família foi abandonada pelo marido. Sem o auxílio de programas sociais, as dificuldades impedem tanto que ela quanto seus filhos abandonem essa condição. “Então, por mais deficiências que possam ter programas de transferência de renda – e que geralmente não têm, pois são facilmente corrigidos -, não se justifica deixar sem um mínimo atendimento pessoas que não têm condições de ter acesso à alimentação”, afirma.

Segundo ele, o orgulho de ter seu país fora do mapa da fome “não tem preço”, e ninguém deseja ter esse tipo de problema, embora muitas vezes ele seja ocultado. Para Graziano, o maior problema não é a produção de alimentos, exceto em poucos locais, mas na distribuição. “A questão passa necessariamente pelo acesso: as pessoas não possuem renda suficiente para ter uma alimentação saudável e de qualidade”, diz.

Comentários